OPINIÃO

Tudo acaba em pizza

Escrito por Pedro Pernambuco
4 de outubro de 2018

Sim, tudo acaba em pizza, mas teve início em Nápoles.

A expressão “tudo acaba em pizza” foi criada pelo jornalista Milton Peruzzi para uma matéria publicada na Gazeta Esportiva. Reza a lenda que, nos anos 60, os dirigentes de um time de futebol paulistano se reuniram por mais de 14 horas para decidirem o futuro da esquadra.

Na ocasião foram consumidas 18 pizzas gigantes, que saciaram o apetite dos dirigentes após um longo período reunido. No dia seguinte o jornalista publicou seu artigo com o seguinte título: “Crise do Palmeiras termina em pizza.” Após essa matéria, o jornalista passou a utilizar a expressão em outras reportagens, e transformou a expressão no sinônimo de “acabar bem”.

Mas se estamos falando em pizzas, propriamente dito, é difícil saber em qual terminará, pois são vários estilos possíveis: clássica, napoletana, romana, in pala, in teglia, al taglio… No entanto, a origem da pizza como conhecemos hoje teve início em Nápoles.

È vero que a pizza napolitana tem sido a mais difundida. E esse estilo de pizza vai além de uma forma de preparo, ou de uma receita. É um conceito, a ponto de se tornar Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO, divisão da ONU para Educação, Ciência e Cultura.

A eleição da pizza napolitana como patrimônio imaterial ganhou força através de uma petição mundial, lançada em 2016, e assinada por cerca de dois milhões de pessoas. Dentre as justificativas para sua candidatura à lista da UNESCO, está a sua importância como identidade cultural e, também, para a economia local.

Buscando promover e, principalmente, proteger a pizza napolitana como um produto típico italiano foi fundada em 1984, em Nápoles, uma associação sem fins lucrativos: a Associazione Verace Pizza Napoletana.

Como consultor, e amante da pizza, percebo um crescimento por esse estilo de pizza aqui no Brasil. A cada dia pizzarias são abertas com a mesma proposta: servir pizzas individuais, para serem saboreadas de forma única, inclusive, comendo com as mãos. Os cardápios são enxutos com poucas opções e produção diária é limitada.

O maestro pizzaiolo Luca di Massa, meu mentor em pizza napolitana, me falou uma vez que é preciso conoscere per riconoscere la pizza napoletana. E é verdade, é importante conhecê-la para poder confeccioná-la respeitando a tradição. Afinal, é um modo de preparo que tem registro datado em 1780. As pizzas Mastunicola, Marinarae a famosa Margherita são bons exemplos.

Quando fiz uma imersão na pizzaria do Luca, na Itália, pude perceber que preparar a massa para esse estilo de pizza vai além da receita, o próprio maestro me dizia a todo o momento que era importante, antes de tudo, senti-la. Confesso que demorei a entender sua mensagem, mas vivenciar essa experiência me fez enxergar a pizza napolitana de outra maneira.

Para quem for abrir um estabelecimento comercial não basta apenas colocar no letreiro “pizza napoletana”. É preciso, sim, respirar e respeitar a tradição, afinal nós brasileiros nos formamos pizzaiolos, mas eles, os napolitanos, nascem pizzaiolos.

AVISO LEGAL | DISCLAIMER Todas as OPINIÕES não expressam particularmente a opinião do MMB e/ou empresas associadas, mas tão somente de quem as escreveu/emitiu. Para maiores informações, consulte também Termos de Uso do MMB.


Massa Madre News


DIA

Dia Mundial do Pão
Uma crônica em homenagem ao pão
Eugênia Pickina

2019

Alimentação fora de casa 2019: 8 tendências para seu negócio
Massa Madre Blog

CURIOSIDADES

6 razões para escolher produtos orgânicos e encantar os clientes
Massa Madre Blog

COOKIES

Produtos de padaria: veja 4 itens que não podem faltar!
Massa Madre Blog

CURIOSIDADES

Afinal, quanto custa abrir uma padaria?
Quanto custa abrir uma padaria? Será que vale mesmo a pena investir nisso? A resposta para essas e outras perguntas você encontra neste artigo. Aproveite o conteúdo e boa leitura!
Massa Madre Blog