OPINIÃO

Pão saudável com farinha da agricultura familiar

Escrito por Dilson Oliveira Menezes
18 de fevereiro de 2016

Cada vez mais os produtos da agricultura familiar fazem parte das receitas de grandes chefes de cozinha brasileiros. A novidade é o tradicional pãozinho francês feito com farinha orgânica.
Acordar cedo, ir à padaria de manhã e comprar aquele pão quentinho é rotina para a maioria dos brasileiros. O que muitos não sabem é que dá para fazer isso e ainda consumir um produto mais saudável – e o melhor, com a participação da agricultura familiar. Como fez o brasiliense e dono da padaria Varanda, Dilson Oliveira Menezes. Ele garante pão quentinho aos clientes de Brasília (DF), sem adição de produtos químicos, e ainda incentiva a produção orgânica no campo.

Segundo ele, a padaria tem muitos diferenciais. Além de comprar farinha orgânica feita com grãos produzidos por famílias agricultoras, a loja não fabrica o tradicional pão francês. “Esse o cliente pode encontrar em qualquer padaria”, justifica. A Varanda, que tem esse nome porque a produção começou na varanda da casa de Dilson, tem mais de 30 tipos de pães, que variam de tamanho (de 90 gramas a meio quilo) e de preço (de R$ 3 a R$ 20).

A produção dos pães de Dilson é parecida com a tradicional, mas leva mais tempo, exatamente por não usar produtos químicos. Tem pãozinho que demora até 32 horas fermentando. “O fato do nosso pão não ter produtos químicos que aceleram a produção, que dá maior qualidade a ele, é um diferencial. Esses produtos agilizam, sim, o processo, o que a maioria das padarias hoje busca, mas eu busco outras coisas: busco sabor, digestibilidade”, explica.

Mais tempo
O empresário notou que o slow food (maneira mais simples de saborear a comida, com mais tempo) é uma tendência que vem crescendo. “Percebi, há algum tempo, que uma grande parcela da população está buscando uma alimentação mais verdadeira, com menos processados. Eu busco com esse tipo de produção voltar a fazer as coisas da maneira certa, por isso chamo o nosso pão de ‘pão de verdade’. Esse é o mesmo processo que se usava há 100, 150 anos”, comenta Dilson.

E é aqui que a agricultura familiar entra: “Quando eu fazia por encomenda, na varanda da minha casa, usava 100% da farinha dessas famílias. Como a demanda cresceu, tivemos que diversificar a produção, mas ainda usamos essa farinha. Parte dos pães ainda é da agricultura familiar, isso agrega muito ao produto, e não quero perder isso. É uma farinha muito rica”, elogia.

Ele relata que muitos clientes têm alergias aos componentes do pão tradicional e que não podiam comê-los. “Alguns não podiam comer nenhum tipo de pão, com alergias fortíssimas. Por indicação de nutricionistas, começaram a consumir os nossos produtos e aquelas alergias que eles tinham com o pão comum sumiram. Isso só me prova que o fato de não usarmos produtos químicos afeta diretamente no produto”, atesta.

A agricultura familiar está nos planos de expansão da padaria. Em 2016, ele pretende aumentar o relacionamento com os clientes, com mesinhas e um café ‘honesto’, vindo diretamente das famílias do campo.

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Agrário

AVISO LEGAL | DISCLAIMER Todas as OPINIÕES não expressam particularmente a opinião do MMB e/ou empresas associadas, mas tão somente de quem as escreveu/emitiu. Para maiores informações, consulte também Termos de Uso do MMB.


Massa Madre News


DIA

Dia Mundial do Pão
Uma crônica em homenagem ao pão
Eugênia Pickina

2019

Alimentação fora de casa 2019: 8 tendências para seu negócio
Massa Madre Blog

CURIOSIDADES

6 razões para escolher produtos orgânicos e encantar os clientes
Massa Madre Blog

COOKIES

Produtos de padaria: veja 4 itens que não podem faltar!
Massa Madre Blog

CURIOSIDADES

Afinal, quanto custa abrir uma padaria?
Quanto custa abrir uma padaria? Será que vale mesmo a pena investir nisso? A resposta para essas e outras perguntas você encontra neste artigo. Aproveite o conteúdo e boa leitura!
Massa Madre Blog