OPINIÃO

A pizza com sotaque castelhano

Escrito por Pedro Pernambuco
29 de novembro de 2018

No último dia 11 de novembro estive em Buenos Aires a convite da Appyce (Asociación de Propietarios de Pizzerías y Casas de Empanadas) para participar de um evento que foi, sem dúvida alguma, o mais incrível que já participei: a quebra de recorde para o Guinness.

Isso mesmo, Guinness. E lá estava eu, em meio aos argentinos, para compartilhar com nossos hermanos o sonho de superar a marca de 10.065 pizzas produzidas por equipe no tempo de 12 horas, sem interrupção.

 

A marca a ser superada era dos italianos, que a atingiram em 13 de junho de 2017 em Roma. Mas, nós conseguimos nosso objetivo, na verdade conseguimos superar nossa meta inicial de 11.000 pizzas e atingimos a marca de 11.287 pizzas produzidas em 12 horas.

Quando a representante do Guinness anunciou o resultado juro que vi o Obelisco balançar em plena Avenida Nueve de Julio. O local onde foi realizado o evento ficou tão pequeno, que me senti na La Bombonera durante um jogo do Boca Juniors. Que energia tem nossos hermanos.

Mas, me deixa contar a emoção que senti desde o início. Às 6 horas da manhã chegamos ao local do grande desafio, a Diagonal Norte, que fica bem em frente ao Obelisco. Comigo estavam dois amigos e pizzaiolos de mão cheia: Elvis Pereira, de Foz do Iguaçú, PR, e Peterson Seco, de Canela, RS.

A fila para retirarmos nossas credenciais já estava formada e longa, mesmo com o céu nublado de Buenos Aires. E dali mesmo já dava para perceber a energia que iria dominar o dia: uma mistura de ansiedade, alegria e, claro, receio de não atingirmos o objetivo.

No total foram 400 pessoas envolvidas, entre profissionais e colaboradores. Os profissionais foram separados em 10 equipes, que iam se revezando a cada 60 minutos. Eram 5 cinco estações de trabalho e em cada uma delas 2 equipes se revezavam ao sinal sonoro que indicava o término do tempo.

Fiquei responsável por ser um dos que abriria os discos em meu grupo, e, seguindo numa linha de produção bem engrenada, as pizzas eram montadas, etapa a etapa: primeiro molho, depois a cobertura, levadas ao forno e ao saírem eram colocadas em caixas. Se estivessem com 35 cm de diâmetro, o responsável pela aferição dava o OK e a pizza era validada, caso contrário, recusada e nosso trabalho em vão.

Na primeira bateria de 60 minutos meu grupo fez perto de 180 pizzas válidas. Os demais grupos fizeram próximos a essa marca também, mas, somando todas as pizzas produzidas, ficamos abaixo do desejado. Veio a segunda bateria e também não conseguimos atingir as 900 pizzas/hora que deveríamos fazer para alcançar a meta de 11.000 pizzas.

Nessa hora escutamos nos alto-falantes que erámos capazes de realizar esse sonho e que a quebra do recorde dependia do nosso esforço, foco e organização, que por sinal a Appyce fez um trabalho impecável no quesito organização.

Senti na pele a energia da raça argentina, a mesma que aflora quando faltam alguns minutos para o término de uma final de futebol, e a partir daí o que presenciei foi muito empenho e foco. E não tinha como ser diferente. Nesse momento me senti parte deles, um brasileiro com corazón argentino.

A cada atualização dos números a vibração acontecia, 1.100, 1.250 pizza/hora. Só dependia da gente e da sinergia que tomou conta do ambiente. O clima de cooperação foi até o final do período e às 20h o cronômetro zerou. A ansiedade tomou conta, pois não sabíamos o resultado, ainda restavam as últimas pizzas serem contabilizadas.

A quantidade de pizzas não aprovadas não sei dizer, por que após a representante do Guinness anunciar o resultado de 11.287 pizzas e de parabenizar os argentinos pelo feito, confesso que a alegria foi tanta que não prestei atenção em mais nada.

Queria aproveitar para parabenizar meus hermanos argentinos pela iniciativa e agradecer por terem me permitido participar desse momento histórico, único em nossas vidas. Naquele domingo, de 11 de novembro de 2018, o sonho deles foi o meu sonho. E a pizza ganhou um sotaque castelhano.

Ah! Não posso deixar de mencionar que as 11.287 pizzas foram vendidas em prol de duas instituições: a Fundación Leandro Olmos e a ASDRA, essa última desenvolve um trabalho com pessoas com síndrome de down.

#somostodoshermanos #hacemospizzasporunmundomejor

AVISO LEGAL | DISCLAIMER Todas as OPINIÕES não expressam particularmente a opinião do MMB e/ou empresas associadas, mas tão somente de quem as escreveu/emitiu. Para maiores informações, consulte também Termos de Uso do MMB.


Massa Madre News


DIA

Dia Mundial do Pão
Uma crônica em homenagem ao pão
Eugênia Pickina

2019

Alimentação fora de casa 2019: 8 tendências para seu negócio
Massa Madre Blog

CURIOSIDADES

6 razões para escolher produtos orgânicos e encantar os clientes
Massa Madre Blog

COOKIES

Produtos de padaria: veja 4 itens que não podem faltar!
Massa Madre Blog

CURIOSIDADES

Afinal, quanto custa abrir uma padaria?
Quanto custa abrir uma padaria? Será que vale mesmo a pena investir nisso? A resposta para essas e outras perguntas você encontra neste artigo. Aproveite o conteúdo e boa leitura!
Massa Madre Blog