PÃO
PANIFICAÇÃO
PADARIA
INDUSTRIAL
ARTESANAL
FERMENTAÇÃO
KNOW HOW
MMB

A incrível arte de fazer pão. Conheça!

06 FEVEREIRO,2017

 

De uns tempos para cá, os brasileiros têm se aventurado pouco a pouco para além do mundo do tradicional pãozinho francês, experimentando pães em formatos, sabores e texturas até então praticamente desconhecidos.

 

E esse passeio cauteloso pelo universo da panificação tem aguçado a curiosidade de muita gente quanto ao processo de fabricação e toda a tradição que se esconde por trás daquela crosta crocante e miolo macio.

 

Pois se você também anda se perguntando sobre os segredos da arte de fazer pão sempre que sente aquele cheirinho de uma fornada fresca, hoje vamos revelar tudo sobre esse assunto. Acompanhe-nos e saiba o que exatamente faz com que você seja levado ao paraíso quando morde um pão de qualidade! Vamos lá?

 

Pão artesanal ou industrial: qual a diferença?

 

Não dá para comparar a experiência de comer um pão fabricado artesanalmente com o consumo dos pães feitos de forma industrial. Mas não são só os produtos embalados e vendidos nas prateleiras do supermercado que são feitos industrialmente, sabia?

 

Confira as principais diferenças entre um e outro e entenda por que o pão artesanal é tão único e diferente:

 

Ingredientes

 

Em muitas padarias e supermercados, o pão vendido fresquinho é fabricado a partir de uma pré-mistura. Isso quer dizer que no lugar de escolher individualmente cada um dos ingredientes, esses estabelecimentos usam um mix industrializado, mais ou menos como as misturas prontas para bolo em que só é preciso adicionar leite e ovos.

 

No caso dos pães artesanais, ao contrário, não é usado nenhum tipo de pré-mistura. Assim, todos os ingredientes da massa são escolhidos a dedo, de cada tipo de farinha ao fermento, assim como recheios e grãos, se houver. Como se você fosse fazer um bolo do zero na sua casa, seguindo uma receita que não usa nenhum ingrediente “de pacotinho”.

 

Tempo de preparo

 

Uma das principais vantagens da pré-mistura para as padarias é o fato de ela ser feita justamente pensando em aumentar ao máximo o aproveitamento de cada pãozinho. Dessa forma, a fim de produzir mais em menos tempo, a mistura contém substâncias que aceleram o processo de fabricação do pão.

 

Já o pão artesanal é feito com muita paciência, respeitando os tempos de descanso e crescimento dos diferentes tipos de fermento e farinha. Para você ter ideia, um pão fabricado assim pode demorar até mesmo dias para ficar pronto, acredita?

 

Resultado final

 

Como a pré-mistura visa também homogeneizar os pães feitos nas grandes padarias — para que eles tenham sempre o mesmo sabor e textura, sem variações causadas pelo lote da farinha ou pelo clima, por exemplo —, eles são sempre praticamente iguais.

 

Nos pães artesanais, no entanto, vários fatores podem influenciar no seu sabor e textura. Isso implica, por um lado, que fica mais difícil garantir sua qualidade em todas as circunstâncias. Mas por outro, cada passo de sua preparação e cada ingrediente torna aquela fornada única, diferente de qualquer outra.

 

Isso certamente é sentido em uma explosão de aromas, sabores e sensações muito mais complexas na boca de quem experimenta um produto feito artesanalmente, não é?

 

A arte de fazer pão pelo mundo

 

Depois de entender o que é um pão artesanal e por que todo o cuidado empregado em sua fabricação faz dele um produto único, conheça as principais tradições de panificação pelo planeta e suas características:

 

França

 

Não tem como pensar no estereótipo do francês sem imaginá-lo com a baguete debaixo do braço, e não é à toa. De acordo com a página Planetoscope, os franceses consomem nada menos que 10 bilhões de baguetes por ano, e a cada segundo, 320 baguetes saem do forno por lá!

 

Além da baguete de tradition, feita com fermentação natural (ou au levain) e farinha branca, as boulangeriesfrancesas também fabricam baguetes integrais, com grãos, assim como grandes pães redondos de campagne fatiados na hora ou em casa.

 

As principais características de ambos são a crosta mais grossa e muito crocante, a cor dourada e o miolo firme e alveolado.

 

Itália

 

Conhecidos por preferirem a farinha branca, os italianos também têm uma tradição fortíssima na panificação. Os principais panne italianos conhecidos por nós são:

  • ciabatta, um pão firme, com miolo alveolado e casca mais branquinha do que a de uma baguete;
  • e a focaccia, cuja massa lembra a da pizza e é temperada com azeite, sal, às vezes queijos e azeitonas, assim como ervas como o alecrim ou o orégano.  

 

Assim como na França, na Itália também é comum que os pães acompanhem todas as refeições, sendo inclusive usados para “limpar o prato”, sugando o molho que sobrou de uma massa ou carne. De dar água na boca, não é?

 

Portugal

 

Em Portugal, pão também é coisa séria, e há uma enorme variedade de receitas típicas de cada região do país, como a sericaia alentejana, a broa de Avintes ou a fogaça. O mais conhecido, porém, talvez seja a broa de milho.

 

Apesar do nome e de também ser feita com farinha de milho, o pão português é bem diferente da nossa broinha. Em primeiro lugar, pelo tamanho: trata-se de um pão redondo grande, para ser fatiado como se fosse um pão de campanha.

 

Outra diferença é a textura: ele é macio, mas tem miolo denso e com bolhinhas muito pequenas, diferente da nossa broinha, quase oca. Também não leva sementinhas de funcho como a nossa broa de fubá.   

 

Alemanha

 

Quem entra em uma padaria alemã procurando apenas um Brötchen (ou pãozinho) se assusta com a variedade de opções disponíveis. Com diversos tipos de farinha (como trigo, centeio, cevada, espelta e mais!) e grãos ou sementes (aveia, abóbora, girassol, gergelim, cominho e por aí vai), fica até difícil escolher.

 

Além dos pãezinhos individuais, de miolo mais macio, como nosso pão francês, os alemães têm ainda o Brot, um tipo de pão grande e denso. Ele também pode ser fabricado com diferentes tipos de farinha, e é feito para durar vários dias, sendo consumido em qualquer refeição com manteiga, queijos, embutidos e pastas.

 

Por lá, predomina o uso de farinhas integrais, produzindo pães mais escuros. O uso da fermentação natural (ou Sauerteig) também é bastante difundido, sendo o principal método de produção do Brot.

 

Viu como, no mundo todo, a arte de fazer pão é voltada para honrar a tradição e criar alimentos únicos, cheios de sabor para encantar a todos os paladares? Surpreenda a sua clientela com os pães artesanais de diversos países e confira também nossas 28 dicas para ter uma padaria de sucesso em 2017!

 



< ANTERIOR
VOCÊ VAI GOSTAR
PRÓXIMA >