Tiago Ishikawa

Quem te inspirou?

Minha inspiração vem da minha família que é japonesa por parte de pai e italiana por parte de mãe, com eles comida é coisa séria. Minhas tias e minha vó por parte de pai sempre cozinharam muito, da comida mais simples até comidas japonesas que eu nunca mais vi em lugar nenhum. Em casa meu pai cozinhava muito e de tudo, quanto minha mãe já era mais prática e se resolvia com o que tinha na geladeira, isso também influenciou o meu jeito de cozinhar e ver os alimentos.

 

Quando decidiu?

No início não foi bem uma decisão. Meus pais estão no ramo há quase 45 anos com restaurantes, padarias, cafés e sorveterias, então tanto eu quanto a minha irmã sempre estivemos por perto ajudando e apreendendo. Aos 17 anos, assumi um dos restaurantes e ali fiquei por 5 anos quando fui para o mundo corporativo. Depois de muito tempo tentando conciliar as duas coisas, tive que escolher a que me faz mais feliz e bom, a cozinha ganhou.

 

Como aprendeu?

Meus pais sempre foram os influenciadores, mas aprendi muito com todos que trabalhavam com eles. Muitas vezes no mesmo dia eu estava ajudando o padeiro a "esteirar" pão francês de manhã, higienizar e descascar tudo quanto era vegetal e fazer cortes de carnes durante a tarde e a montar pizzas durante a noite. O pessoal sempre foi bem receptivo e me ensinava bastante, apesar de eu estar sempre aprontando. Devo muito a todos eles também.

 

Como define a sua cozinha?

Eu tento sempre combinar a base clássica com técnicas e processos modernos. Para mim, a mesma comida que alimenta deve ser aquela te conta uma história que te passa algum significado. Acho importante que a pessoa que está comendo saiba que por trás daquele prato ou pão existe muita coisa envolvida, que nada ali é por acaso.

 

Quem é você fora da cozinha?

Fora da cozinha eu sou um cara tranquilo, que gosta de tocar e ouvir muita música, brincar com meus cachorros, viajar, conhecer lugares e gente nova.

 

Sabor da Infância?

O feijão com arroz e bife da minha tia Tereza, e o atum cozido com shoyu e gengibre do meu pai. Dois pratos que eu nunca mais vou comer e que sinto saudades.

 

É um sucesso por quê?

Hoje a BreadLabConsulting inova o mercado por ter todo o seu knowhow voltado para a panificação, introduzindo assim, novas metodologias e treinamentos, buscando resultados cada vez mais expressivos para esse mercado. Procuramos sempre entender muito bem o que realmente nossos clientes necessitam e assim gerar soluções exclusivas. Tudo isso aliado a transparência, dedicação e comprometimento nos capacitam sim a buscarmos o sucesso junto aos nossos clientes.

 

Um prato?

Já fui do churrasco, da lasanha e da pizza, mas se tem algo que me faz falta é o Pão. É muito difícil para mim ficar sem pão, seja pelo sabor e por sua praticidade de combinar com quase tudo.

 

Comer ou preparar?

Pra mim são coisas bem distintas. Claro, gosto muito de comer, mas preparar é algo que realmente eu gosto bastante, seja para clientes, amigos ou família, acho muito legal ver a reação das pessoas depois que provam a comida.

 

O que comeu e não esqueceu?

Uma sopa de espinafre de um hotel em Lambari-MG, comi ainda criança, e me lembro até hoje. Algo muito simples e com muito sabor. Acho que me marcou justamente por isso, por ser uma sopa e por só ter espinafre.

Quem me conhece sabe o quanto eu fico louco da vida com comida mal preparada, sem capricho e atenção, muitas vezes cheias de ingredientes caros. Nessa hora quase sempre eu lembro dessa sopa, que faz todo o sentido do que deve ser a gastronomia para mim, ingredientes simples elevados a outro patamar.