Filipe Fonseca

Quem te inspirou?  

Minha inspiração é minha mãe, mineira de mão cheia.

 

Quando decidiu?

Em 2011, quando ocupava um cargo público, resolvi deixar toda minha formação inicial de lado e começar uma nova história, foi quando cursei Gastronomia na Anhembi Morumbi e alguns anos depois me especializei em panificação na Levain Escola de Panificação.

 

Como aprendeu?

Desde cedo aprendi que conhecimento é o melhor caminho para o reconhecimento profissional. Meus melhores amigos são os livros.

 

Como define a sua cozinha?

Técnica. No meu primeiro emprego como cozinheiro, aprendi que a base da gastronomia é o respeito ao produto, desde então sigo essa filosofia.

 

Quem é você fora da cozinha?

Filho, sobrinho, irmão, amigo... um eterno e inquieto curioso.

 

Sabor da Infância?

Polenta mineira com ragu de carne da minha mãe.

 

É um sucesso por quê?

Não diria sucesso, acredito que o reconhecimento deve vir sempre em 2º ou 3ª pessoa e acompanhado de críticas como incentivos a sempre melhorar, independente do que seja.

 

Um prato?

Sou geminiano, um prato só é difícil de mais. (rss). Um animal é mais fácil: Porco!

 

Comer ou preparar?

Preparar e comer, e vice versa.

 

O que comeu e não esqueceu?

O primeiro torresmo a gente nunca esquece. Eu tinha uns 6 ou 7 anos em Conceição do Mato Dentro - MG, na cidade dos meus avós, em um restaurante chamado Serra Velha.